Oitiva é relacionada ao acordo de colaboração premiada no processo do mensalão tucano.

Marcos Valério comparece à sede da PF em Belo Horizonte para depoimento

Marcos Valério Fernandes chegou à Superintendência da Polícia Federal em Belo Horizonte por volta das 9h40 desta sexta-feira (18) para prestar depoimento relacionado à colaboração premiada no processo do mensalão tucano. O acordo foi assinado no dia 6 de julho.

Em nota, a polícia havia dito que não daria informações sobre a oitiva. Contudo, o delegado Regional de Combate ao Crime Organizado de Minas Gerais, Marcilio Zocrato, declarou à imprensa que envolvidos na colaboração premiada estão cooptando testemunhas para atrapalhar o processo, que ainda precisa ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Ele espera que Valério, ainda que preso, preste informações que contribuam para esclarecer a tentativa de “criar obstáculos” ao processo de delação.

Segundo a PF, em datas anteriores, Valério prestou outros depoimentos à corporação, mas não deu detalhes sobre o teor.

Valério foi condenado a 37 anos e 5 meses de prisão no julgamento do mensalão do PT e é réu em ação penal do mensalão tucano.

O advogado Jean Robert Kobayashi Júnior chegou antes, por volta das 8h50, e não antecipou o teor do depoimento. Ouvido em julho pelo G1, ele declarou que a delação de seu cliente envolve o mensalão tucano e o que chamou de "outros assuntos", sem detalhar a que processos ele se refere.

Como parte da conclusão da colaboração, o juiz da Vara de Execuções Penais de Contagem autorizou a transferência de Marcos Valério, que estava preso na Penitenciária Nelson Hungria, para a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac), em Sete Lagoas, na Região Central de Minas Gerais.

A transferência ocorreu no dia 17 de julho. No despacho, o magistrado afirmou que Valério é “presumidamente possuidor de inúmeras informações de interessa da Justiça e da sociedade brasileira, motivo pelo qual inegável o interesse público em suas declarações sobre fatos ilícitos diversos que envolvem a república".

Segundo a PF, o processo foi encaminhado para o STF F). A homologação do acordo estaria sob análise do STF porque há, no processo, investigados com foro privilegiado.

Segundo a PF, a homologação está sob análise do STF porque contém investigados com foro privilegiado. Já o Supremo não confirma a existência de tal processo porque acordos de colaborações premiadas correm em segredo de Justiça.

Delação recusada

Em junho de 2016, a defesa de Valério entregou ao Ministério Público uma oferta de delação premiada sobre o mensalão tucano. Em 24 de março de 2017, a promotoria informou que não havia interesse por parte do órgão na delação do réu e recusou o procedimento.

O que diz a lei sobre colaboração premiada

A lei permite que acordos de colaboração premiada sejam fechados tanto pelo Ministério Público como por delegados de polícia, mas há uma disputa sobre essa competência. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, entrou com uma Adin (ação direta de inconstitucionalidade) no Supremo no ano passado para impedir os acordos com a polícia. O processo está em tramitação.

Assim como Valério, o publicitário Duda Mendonça fechou acordo com a PF depois de procuradores não se interessarem por suas revelações. Em 2005, Mendonça confessou à CPI dos Correios ter recebido R$ 10,5 milhões pela campanha à eleição de Lula via caixa 2.

Para Janot, “a legitimidade para oferecer e negociar acordos de colaboração premiada é privativa do Ministério Público” e a ele cabe “avaliar a utilidade das informações obtidas do colaborador”. A ação ainda não foi julgada.

Mensalão tucano

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, o esquema teria desviado recursos para a campanha eleitoral de Eduardo Azeredo (PSDB), que concorria à reeleição ao governo do estado, em 1998.

Para a acusação, houve ato de improbidade administrativa por parte de Marcos Valério, Cristiano Paz e Ramon Holerbach quando R$ 3 milhões foram transferidos da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e Companhia Mineradora de Minas Gerais (Comig) para a agência de publicidade SMP&B, da qual os três eram sócios à época.

A verba foi declarada como patrocínio para a realização do Enduro da Independência, evento que não chegou a ser nem licitado e não houve formalização de contrato.

Para a promotoria, esse dinheiro foi usado na campanha de reeleição do então governador de Minas, Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998, através das agências de publicidade SMP&B e DNA, ambas dos três réus. Azeredo foi derrotado no pleito por Itamar Franco (PMDB).

Situação dos réus

No caso conhecido como mensalão tucano, somente Azeredo foi condenado em primeira instância a 20 anos e 10 meses de prisão, em regime inicialmente fechado, pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Ele recorre em liberdade. No dia 22 de agosto, o recurso será julgado no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

O ex-senador Clésio Andrade (PMDB) é acusado de participar de desvio de verbas para beneficiar a candidatura à reeleição de Azeredo. À época, concorria como vice na chapa e, no interrogatório, afirmou que fez campanha paralela e investiu R$ 3 milhões não declarados. Em 2 de agosto de 2017, Andrade foi interrogado e negou as acusações. Promotoria e defesa tem até 60 dias para apresentarem as alegações finais à Justiça.

Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz foram ouvidos em de abril de 2017 e são acusados de desvio de dinheiro das agências de publicidade DNA e SMP&B para patrocinar candidatura de Azeredo. Após o interrogatório, é aguardada sentença. Os três cumprem pena por condenações no mensalão do PT.

Os outros acusados são Renato Caporalli e Lauro Wilson de Lima Filho, que estão em um dos processos desmembrados por serem, à época dos fatos, os diretores da Companhia Mineradora de Minas Gerais (Comig). Eles respondem por peculato.

Também há outro processo para o réu Eduardo Pereira Guedes Neto, secretário-adjunto de Comunicação Social naquela ocasião. Os três já foram interrogados e aguardam sentença, segundo a Justiça mineira.

Houve, ainda, a extinção da punibilidade do acusado Fernando Moreira Soares, por óbito.

Já o réu José Afonso Bicalho teve seu processo redistribuído ao TJMG, por ter sido nomeado secretário de estado da Fazenda, fazendo jus a foro privilegiado. A ação está na fase final de instrução e ainda não há data para o julgamento.

Outras Notícias

PERÍODO DEFESO: PROIBIÇÃO DE PESCA COMEÇA DIA 15

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) informa que a Portaria de n° 308, de novembro de 2016, co...

Vacinação contra febre aftosa poderá ser retirada em 2019

Nesta segunda-feira, 23, às 8 horas, no Palácio Rio Madeira, 9º andar, inicia o debate que trata da retirada da vacin...

CONCURSO: 62 vagas e salário até R$ 16 mil para Sefin

 Publicado na sexta-feira, 20 de outubro, o edital do concurso SEFIN - Secretaria de Estados de Finanças em Rond...

Frente fria em Rondônia afasta calor neste domingo e segunda-feira, diz Sipam

Uma frente fria começa a atuar a partir deste domingo em Rondônia e todo o sul da Amazônia, de acordo com a Divisão d...

Incêndio consome vegetação em volta da pista do aeroporto de Ji-Paraná

De acordo com um morador vizinho ao Aeroporto José Coleto, em Ji-Paraná, o incêndio começou por volta das 19h desta t...

DER convoca mais 13 candidatos remanescentes do processo seletivo emergencial de 2016

O Departamento de Estradas de Rodagem, Infraestrutura e Serviços Públicos (DER) convoca nesta segunda-feira (26) mais...

Rondônia Rural Show recebe mais de 20 mil visitantes nos dois primeiros dias

Mais de 20 mil pessoas passaram pelo Parque Tecnológico nos dois primeiros dias da 6ª Rondônia Rural Show em Ji-Paran...

População terá transporte gratuito até a Rondônia Rural Show em Ji-Paraná

População terá transporte gratuito até a Rondônia Rural Show em Ji-ParanáDurante os quatro dias da 6ª Rondônia Rural ...

InterCorte Ji Paraná será durante a Expojipa em 12 e 13 de julho

A cidade de Ji-Paraná sediará pela quarta vez uma etapa da InterCorte, evento que vem percorrendo de forma itinerante...

6ª Rondônia Rural Show

A Rondônia Rural Show é uma feira de tecnologia e oportunidade de negócios voltados ao agronegócio do estado, realiza...

Suprema corte russa proíbe atividade de testemunhas de Jeová

Suprema Corte da Rússia proibiu nesta quinta-feira (20) a atuação da organização Testemunhas de Jeová, de acordo com ...

Cardozo depõe a Moro e diz que caixa 2 é "prática histórica"

 Apos depoimento ao juiz Sérgio Moro que durou cerca de 20 minutos, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardoz...

Emocionante! Mãe de Danilo consola jornalista durante entrevista

Nesta sexta-feira, o repórter Guido Nunes, do SporTV, entrevistava a mãe do goleiro Danilo, uma das vítimas do aciden...

Conmebol vai declarar Chapecoense campeã da Copa Sul-Americana

A Chapecoense será declarada campeã da Copa Sul-Americana 2016. A Conmebol já tomou a decisão, mas não a anuncia aind...

Alvo de 12 inquéritos, Renan diz que considera Lava Jato 'sagrada'

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta quinta-feira (1º), em uma audiência pública na qual ...

Juízes e promotores protestam contra mudanças em pacote anticorrupção

Juizes e promotores protestaram em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) no início da tarde desta quinta-feira (1º...

Goleiro Jackson Follmann tem perna amputada após acidente da Chape

Um dos seis passageiros resgatado com vida após a queda do avião da Chapecoense em Medellín, o goleiro Jackson F...

Maurão de Carvalho prestigia festa em comemoração ao Dia do Servidor Público

O presidente da Assembleia Legislativa, Maurão de Carvalho (PMDB), prestigiou na manhã desta sexta-feira (28) o event...

Fique de olho: cinco assuntos que podem ser tema da redação

Uma das provas mais aguardadas nos vestibulares, a redação costuma gerar ansiedade nos estudantes porque, além de dem...

Veja os mistérios e as curiosidades de múmias que foram encontradas pelo mundo

28.out.2016 - Um grupo de cientistas da Universidade Nacional e Técnica de Atenas, em conjunto com uma equipe da Soci...